[ editar artigo]

A Boa Influência

A Boa Influência

Quando se fala sobre influencers, muitos relacionam a aqueles perfis cheio de seguidores que compartilham uma vida fútil, com produção de conteúdo que busca manipular as pessoas para práticas não recomendadas, principalmente quanto à saúde ou voltado para estimular o consumismo em crianças.

Claro que existe a “má influência”. E é disso que temos que fugir quando buscamos uma estratégia utilizando Marketing de Influência. Não é só o tamanho da audiência que importa. Como toda estratégia de marketing, temos que entender o nosso público e utilizar influenciadores do bem relacionados aos nossos objetivos. Mais uma vez devemos lembrar aquela velha frase: qualidade importa mais do que quantidade.

Para escolher um influencer alinhado aos objetivos, também é importante analisar o tipo de conteúdo que ele produz. A Bia Granja, uma das pioneiras do estudo do Marketing de Influência no Brasil, considera quatro tipos de influência:

  • Autoridade: O maior ativo é o endosso. Costuma ser respeitado dentro de determinado segmento, tema ou região.
  • Lifestyle: Ser a inspiração é seu maior ativo. O conteúdo é sobre si. Mostrando seu estilo de vida, inspiram outras pessoas. É o tipo mais conhecido e o mais difícil.
  • Criativo/a: O ativo é a criatividade. Cria conteúdo artístico, explora formatos. Outras possibilidades são humor, entretenimento ou conteúdos sobre o cotidiano.
  • Professor/a: Seu principal ativo é ser útil. São os influencers que explicam e ensinam. Podem ser conteúdos educativos acadêmicos ou ensinando a fazer ou com reviews. Várias possibilidades.

Entender os tipos de influência é útil tanto para as marcas que pretendem contratar influenciadores digitais quanto para quem pretende criar conteúdo. Se a ideia é ser creator deve-se lembrar que é trabalhoso e exige bastante planejamento. Uma autoanálise sobre o seu perfil, o que pode fazer que seja autêntico e que gere valor para as pessoas faz toda diferença.

Ter em mente causar uma boa influência cada vez que se produz um conteúdo é bom para as marcas, é bom para a internet, é bom para a nossa sociedade. É nesse ponto que pode estar o poder transformador da Era Digital.

Imagem: Freepik

Marketing na Era Digital
Leandra Gomes Gonçalves
Leandra Gomes Gonçalves Seguir

Publicitária e RP, com especializações nas áreas de Psicologia e Educação. Mais de 20 anos de experiência em departamentos de Marketing, trabalhando atualmente como professora. Descobrindo na prática que Comunicação e Educação tem muito em comum.

Ler conteúdo completo
Indicados para você