[ editar artigo]

As cooperativas de agricultura familiar e a análise SWOT

As cooperativas de agricultura familiar e a análise SWOT

Através da análise swot os agricultores podem identificar e potencializar suas forças e minimizar suas fraquezas, desta forma, ao observarem as oportunidades e as ameaças do ambiente externo, conseguirão traçar melhores estratégias.

Entre os pontos fortes das cooperativas de agricultura familiar se destacam a capacidade de gerar novos postos de trabalho dentro da comunidade, seus cooperados têm a chance de aprender a trabalhar em equipe e nessa experiência podem se destacar novas lideranças. Por serem familiares, elas têm mais chances de se tornarem sustentáveis e solidárias. Além disso, se destaca o seu grande potencial produtivo, pois tem a capacidade de produzir uma diversidade grande de produtos desde frutos, mel, hortas e lavoura, até produtos de origem animal, o que traz mais oportunidades de mercado. Tem maior capacidade de criar boas relações com as empresas de comercialização da região na qual estão inseridos e fazer boas parcerias. 

Entre os pontos fracos, percebemos que as diferentes infraestruturas e/ou conscientização em cada grupo familiar, pode fazer com que nem todos possuam a mesma qualidade na produção; a utilização de veneno em algumas propriedades dificulta avanços para uma produção sustentável. Alguns cooperados optam por fazer vendas individuais, o que interfere na venda coletiva. Pode haver falta de controle na produção dos grupos e falta de comunicação interna dos cooperados e externa em relação aos parceiros. Em muitos casos, a avançada idade dos produtores, a baixa participação dos jovens somadas a ausência de estratégia concreta de sucessão geracional comprometem a continuidade do projeto. Falta mão de obra profissional em diversos setores. Enfrentam dificuldades em tornar o produto apto para ser comercializado (registro, rótulo, embalagem). A produção não consegue atender o mercado local; a comercialização fica limitada ao PNAE e a um único município.

Entre as ameaças sentidas no ambiente externo, se destaca: a falta de articulação política junto a órgãos e organizações locais para apoio nas áreas de organização da produção, falta de projetos e de leis de incentivos; falta acesso aos programas do governo municipal; existe certa resistência dos poderes públicos locais de apoiar e negociar com a cooperativa; não há apoio jurídico em questões trabalhistas e comerciais; falta ATER – Assistência técnica Rural; as mudanças climáticas; a presença de pragas e fungos; as distâncias de outros mercados consistentes e instabilidade do mercado institucional; as condições das estradas em certas épocas do ano não oferecem condições de transporte da produção; as grandes exigências de legalização e fiscalização;

Entre as oportunidades sentidas no ambiente externo estão a possibilidade de criação e uso de selo de origem para os produtos locais; a possibilidade de responder a chamadas públicas de ATER e outros serviços com intuito de captação de recursos financeiros; as cooperativas, têm algumas oportunidades diferenciadas na comercialização (PAA e PNAE) e no financiamento; tem acesso a mercados diferenciados e institucionais; existe a possibilidade de mercado para outros ramos como turismo e serviços; a crescente busca por produtos agroecológicos; o veganismo; a comercialização voltado ao pequeno é uma grande oportunidade de mercado.

Além da cooperativa, cada grupo familiar pode fazer a análise swot individual e depois fazer intercâmbio de experiências, isso pode tornar a rede de apoio mais consistente.

Marketing na Era Digital
Raquel Paula Daneluz
Raquel Paula Daneluz Seguir

Formada em publicidade, trabalhei 6 anos com marketing na agricultura familiar e 15 anos como produtora de televisão.

Ler conteúdo completo
Indicados para você