[ editar artigo]

Benefícios da Humanização Praticada: Acessibilidade Digital e Inclusão Social

Benefícios da Humanização Praticada: Acessibilidade Digital e Inclusão Social

A temática “Acessibilidade Digital” foi abordada por Simone Freire, CEO da Espiral, idealizadora do Web para Todos, especialista em acessibilidade digital, palestrante e uma 10.000 Women Goldman Sachs.

O que é acessibilidade digital?

“é uma série de recursos que possibilita a navegação, a compreensão e a interação de qualquer pessoa na web (independentemente de suas dificuldades), sem ajuda de ninguém. Em outras palavras: uma internet acessível pra todo mundo!” (Web para todos)

Nesse sentido, é bastante significativo questionar qualquer tipo de projeto, empresa e marca para saber se estão, de fato, preparadas para a inclusão social, principalmente em um cenário dentro da nova economia, cuja acessibilidade digital deve ser praticada. Afinal, em pleno século XXI, não considerar tais fundamentos, já considero ser falta de educação individual. Empatia é para poucos e bons!

As boas práticas levam tal nomenclatura, justamente para beneficiar empresas e pessoas. Então, vejamos os tipos de benefícios de um site com acessibilidade (para as organizações x sociedade), citações diretas do livro Marketing na Era Digital, referência bibliográfica complementar à minha jornada Insider:

Benefícios de um site acessível para as organizações:

• Fortalece sua imagem de marca:  No momento em que as organizações procuram maximizar a imagem de sua marca a implementação da acessibilidade uma maneira Importante destacar sua responsabilidade cívica para com seus acionistas funcionários e público em geral a certificação é uma maneira estratégica de reforçar ainda mais a imagem da sua Marca e comunicar essa responsabilidade ponto final o movimento WEB para todos certifica sites, aplicativos, produtos digitais, etc.

• Melhora seu SEO:  Acessibilidade digital facilita o acesso ao conteúdo para todos os usuários, incluindo os mecanismos de pesquisa ponto final obviamente, acessibilidade na web posição não garante uma boa classificação dos mexicanos mecanismos de pesquisa ponto final porém, removerá todas as barreiras a indexação e oferecerá conteúdo de texto semanticamente correto, e, portanto, mais utilizado.

•  Maximiza o desempenho do seu site:   O desempenho do site depende muito da compatibilidade com os no navegadores das versões desktop mobil ponto final além disso, sua usabilidade em outros dispositivos abre pareces smartphone, tablets, quiosques interativos, etc.) está se tornando cada vez mais crucial. A questão central para tornar o seu site acessível é garantir que ele esteja em conformidade com os padrões de acessibilidade da web e as diretrizes de acessibilidade móvel existentes. A verificação dessa conformidade é uma oportunidade para avaliar a usabilidade do seu site. Vale ressaltar que o design responsivo da web também pode ser acessível.

•  Reduz custos de manutenção: uma diretriz de acessibilidade digital e manter separação entre o conteúdo de um design de interface, é o que gera duas vantagens principais: menos tempo será necessário para o desenvolvimento e mais flexibilidade será possível no design. Atualmente, podemos alterar a aparência inteira de um site em alguns minutos, simplesmente alterando a folha de estilos associada a ele. Isso é impossível em sites anacrônicas, onde o conteúdo e o contêiner são a mesma coisa.” (Martha Gabriel e Rafael Kiso, 2020, pg. 292/293).

 

Benefícios de um site acessível para a sociedade:

• Pessoas com baixa visão - que usa um, ou não, programas ampliadores de tela - não têm dificuldade com contraste, nem para identificar e clicar em hiperlink, barras e botões, ou para aumentar o tamanho das letras.

• Pessoas com deficiência auditiva ou surdas acessam informações em áudio e vídeo com transcrições, legendas e traduções em Libras (Língua Brasileira de Sinais).

• Pessoas com deficiência motora e mobilidade reduzida que usam apenas o teclado para acessar os conteúdos conseguem navegar com facilidade por todos os menus e subitens, serviços, formulários e informações disponíveis.

• Pessoas que não conseguem identificar algumas cores não se confundem nem perdem informações, porque todas as informações apresentadas por meio de cores são transmitidas, também, de outras formas.

• Pessoas cegas que utilizam programas leitores de tela no computador navegam sem dificuldades pelo site, preenchem formulários, acionam botões por meio de comandos do teclado e conseguem acessar, inclusive, as informações que estão em imagem, por meio de testes alternativos.

• Pessoas com deficiência intelectual ajustam a velocidade das animações e têm acesso a conteúdos em texto, áudio e vídeo para aprimorar em seus estudos.

• Pessoas com baixa experiência computacional aprendem, com facilidade, a utilizar serviços fundamentais para seu dia dia e encontram, com rapidez, todas as informações de que necessitam.

• Pessoas com idade avançada conseguem encontrar todas as informações de que necessitam devido ao bom contraste, assim como pelo tamanho dos textos, navegabilidade e baixa complexidade das interações.

• Pessoas com problemas de conexão com a internet acessam as páginas web com facilidade e navegam com ótimo desempenho.

• Pessoas com dispositivos móveis acessam serviços em informações na web, mesmo utilizando telas e teclados muito pequenos de com velocidade de conexão e capacidade de processamento e armazenamento reduzidas.” (Martha Gabriel e Rafael Kiso, 2020, pg. 293).

 

“Democratização da informação A informação é um direito de todos. E é por isso que a acessibilidade digital existe, para democratizar o acesso, garantindo a compreensão e acesso da informação para qualquer pessoa, independente de suas limitações, sejam elas físico-motora, perceptiva, cultural ou social.”

“Inclusão A acessibilidade digital através da internet e tecnologia representa também um grande passo à inclusão de pessoas que contam com deficiências que, em determinado nível, poderiam ser uma barreira para trabalhar, estudar e compartilhar experiências com outras pessoas.”

 

Tenho uma amiga de infância, Débora Goldzveig, totalmente dedicada às práticas de diversidade e inclusão. Formada em Publicidade (Cásper Líbero), Pós graduada em Gerenciamento de Mercado com Ênfase em Inteligência Competitiva (ESPM) e Inclusão e Diversidade, Práticas Inclusivas e Gestão das Diferenças (Instituto Singularidades).

A paixão pelo ecossistema da inclusão partiu dela ter um irmão mais novo, o David, com síndrome de down. David foi meu primeiro contato, nos anos iniciais de nossas vidas (pré maternal), no ambiente escolar. Estudávamos numa escola que não estava preparada para ser inclusiva, no entanto, despertou em mim um laço importante de olhar para a diversidade. Eu mesma tive o privilégio de ver o David crescer! Conheço ele desde o berçário.

 

Em 2014, Débora se dedicou a criar um grupo chamado “Projeto Irmãos”, para fomentar um espaço de troca de experiências entre irmãos de pessoas com síndrome de Down. O objetivo é gerar uma rede colaborativa de pertencimento e inclusão, por meio de conteúdos que instruam e ampliem o círculo familiar, social e de parceiros envolvidos. 

De forma prática, algumas dicas de como tornar os canais mais acessíveis:

Quando descrever imagens?

Qual a diferença entre descrição de imagem e texto alternativo?

Acessibilidade nas Redes Sociais

Exemplos Práticos

“#ParaTodosVerem

Foto em preto e branco de Débora sentada, mulher sorridente, com cabelos escuros na altura dos ombros, vestindo uma camisa regata, com babados e saia preta. @institutoolgakos Instituto Olga Kos promovendo inclusão apresenta: Encontro Débora Goldzveig - Irmãos de Pessoas com Deficiência.

Logotipo  tons de rosa e e roxo Expansão e Movimento. Dia 4 de março, 19h. No Zoom: https://zoom.us/j/9637010647?pwd=TVFNVXY4YmZ2enEwcmNlSUFqTy81UT09

ID: 9637010647

Senha: URRqT

#irmãos #institutoolgakos #familia #movimento #expansao

#projetoirmãos”

#ParaTodosVerem

Papo de Menarca. Dinah Feldman convida Débora, Theo Lerner, Mel Sternberg e Paolla Vicentin. 23 de Fevereiro às 19h10 no canal do Youtube @Dinah Feldman: https://www.youtube.com/user/dinahfeldmanharari

Quadrado maior com Foto de mulher branca, com cabelos curtos e olhos claros vestindo camiseta preta, com parede acinzentada ao fundo. Abaixo dentro de 4 quadrados menores, as fotos de Débora, mulher branca de cabelos e olhos escuros vestindo vestido preto; Theo, homem branco, de cabelo claro, curto e olhos claros, vestindo camisa cinza; Melina, mulher branca de cabelos loiros, curtos, olhos claros, utiliza óculos de armação vermelha e camiseta preta; Paolla, mulher branca de olhos escuros, cabelos ruivos, utiliza camisa clara listrada.”

 

“18/03/2021 às19h | Palestra: Games Educacionais Acessíveis: perspectivas e possibilidades de desenvolvimento

Palestrantes: Prof. Dr. Leandro Key Higuchi Yanaze e Profa Dra Cícera A. Lima Malheiro

Ciclo de Palestras Games Educacionais Acessíveis: Por uma educação inclusiva

Com interpretação em Libras e Audiodescrição.

Para se inscrever clique no link abaixo.

https://cutt.ly/gea1

Certificação a partir do preenchimento da lista de presença

Transmissão no Canal do CODE https://cutt.ly/canalcode

Para mais informações sobre o Ciclo de palestras sobre Games Educacionais Acessíveis, acesse https://code.unifesp.br/eventos

#paratodosverem: Card colorido com as informações da palestra e as fotos de perfil dos palestrantes. Cícera é uma mulher jovem branca de cabelos longos e castanhos, veste blusa cinza de gola alta. Leandro é um homem jovem de descendência oriental. Usa camisa branca sob blazer marrom. No canto superior o ícone do evento, dois pinos de jogos, um na cor verde e o outro na cor laranja, em volta uma trilha de jogo em formato do símbolo infinito. No rodapé os logos: Unifesp, grupo de pesquisa CODE, game TEA, game ensino de braile.”

 

Marcos Lima é um ótimo educador de acessibilidade digital. Jornalista, YouTuber e Palestrante, Marcos Lima tem um canal no Youtube “Histórias de Cego”, é o criador de conteúdo, apresentador e, se precisar, filma também. O canal conta de forma leve e divertida o cotidiano de uma pessoa cega. 

Como os cegos usam o celular

Como cegos usam WhatsApp? - Histórias de Cego responde

Como cegos usam computador

Quais são as principais barreiras encontradas no ambiente digital?

Por que se importar?

Além dos benefícios de um site acessível para as organizações e sociedade listados anteriormente:

Então, como contribuir?

Além de fazer parte das diversas redes existentes, como as mostradas neste artigo (Web para Todos, Projeto Irmãos, Ensino de Braile, etc). Você pode desenvolver um olhar essencial para esta demanda, principalmente, no início dos projetos, simplificando o que será complexo e  dificultoso quando deixado de lado.

Conhecer os guias e leis de acessibilidade, investir em treinamento, contratar pessoas com deficiência, incluir PCDs como personas no marketing, incluir acessibilidade no MVP, se engajar em ações que abracem a acessibilidade, compartilhar o que aprendeu e ter empatia.

Marketing na Era Digital
Patrícia Rônel - PR.RP
Patrícia Rônel - PR.RP Seguir

Relações Públicas. "Humanizo relacionamentos, ações de comunicação e marketing estratégico, orientado a dados - entre marcas, pessoas e cenários (outbound/inbound) - com o auxílio da tecnologia, cultura de inovação e transformação digital".

Ler conteúdo completo
Indicados para você